Vistas da exposição
1 de 25
Obras
Slideshow
">
1 de 20
Thumbnails
" data-id="1934" data-src="http://mendeswooddm.com/content/works/work-2019-09-18-13-01-14-829300.jpg">
Texto

A Mendes Wood DM apresenta Two Hands on Earth [Duas mãos na Terra], uma exposição com trabalhos inéditos de Matthew Lutz-Kinoy. Utilizando o interior da galeria e seus detalhes de época, a mostra funciona como um palco no qual a interconexão entre as obras e a galeria assume o papel central. É nessa mise-en-scène que Lutz-Kinoy desenvolve sua investigação sobre as condições tangíveis para encenar utopias e representações do céu na Terra.

O historiador da arte T.J. Clark reconhece o potencial que a pintura tem de criar tais condições, já que esse poder jaz em suas vantagens tanto em termos de contar uma história sem a necessidade de usar palavras quanto de desafiar histórias sem aderir aos limites da oralidade. A grande capacidade da pintura, talvez até maior do que em qualquer outro meio de representação, é expressar imagens de um mundo transfigurado – seja este inteiramente familiar ou concreto, um questionamento de nossas respostas pré-estabelecidas, seja um mundo onde tudo é maior ou mais leve que a vida.

Na entrada da exposição, nos deparamos com uma pintura vertical colocada no centro da escadaria da galeria. Announcement in The Land of Cockaigne [Anúncio na Terra de Cockaigne] (2019) mostra um dégradé de cores que, a princípio, evoca um verde de floresta e passa rapidamente para um vermelho vibrante. Um braço de anjo curvado é projetado para fora do espaço, entre um par de asas apontadas para baixo, em direção a dois porcos aninhados em um abraço aconchegante. O braço estendido assinala a condição de sacrifício dos porcos como um significante de concepção imaculada – um anúncio lá de cima.

A pintura de Bruegel, A Terra de Cockgaine, representa um Jardim do Éden onírico – uma terra mítica de abundância, em que o pobre é rico e alimentos e sexo encontram-se livremente disponíveis. Essa fantasia campesina bruegeliana é sobretudo sentida na sala térrea da exposição, em que as obras respondem a esse imaginário intensificado. Aqui, Lutz-Kinoy interpreta essa intensidade por meio da escala. O tema dos porcos aninhados é multiplicado em pôsteres desenhados à mão. Grandes máscaras de mármore encontram-se penduradas na parede, criando uma arquitetura de templo. As esculturas de mármore anunciam um desenvolvimento de suas máscaras anteriores associadas, de forma íntima, ao ato cerâmico de colecionar elementos atirados na roda. Essas obras de mármore usam uma máscara original como molde, mas são esculpidas a partir de um pedaço único de pedra. O processo de esculpir o mármore distancia a mão do artista ao mesmo tempo que aprofunda um engajamento com materiais terrenos.

Em Blue After Baltrop [Azul após Baltrop] (2019), duas figuras enormes em um abraço sensual são vistas de cima. A cena foi retirada das fotografias de Alvin Baltrop, que mostram homens à procura de sexo nos cais dilapidados do rio Hudson. A paleta monocromática coloca um filtro azul sobre o preto e branco das fotos de Baltrop. Uma sombra nítida traça as curvas de seus corpos, enquanto um motivo decorativo aquático aparece na parte inferior do quadro.

O teórico queer José Esteban Muñoz defende que a cultura queer não depende da noção de futuridade, já que futuridade é uma fantasia da reprodução heterossexual. Se utopias são apenas concebidas biologicamente, podemos imaginar o quão isso pode ser problemático para um corpo não reprodutivo. Criadas por meio de uma técnica de estêncil, as figuras de Lutz-Kinoy existem não apenas em seus traços, mas também em sua forma e gesto. Em suas pinturas de amantes, um olhar de cima cria uma topologia – o corpo gráfico é lido como um mapa. O positivo/negativo da técnica de estêncil reflete o processo fotográfico, enfatizando a dependência da luz.

A relação com a luz nos traz de volta à resposta de Lutz-Kinoy ao espaço expositivo. As pinturas em grande escala são criadas em diálogo com as janelas reluzentes que circundam a galeria. Essas obras expõem as tensões entre o fantástico e a experiência vivida, evidenciando a luz sob a qual vemos a pintura e a luz que nos faz escapar da escuridão.

As esculturas desta exposição foram possibilitadas pelos artesãos de DalleNogare Graniti & Marmi, Bolzano IT, Cerámica Los Arrayanes, Granada SP e pela colaboração permanente em cerâmica com a artista Natsuko Uchino.

Menu